domingo, 4 de agosto de 2013

A Livros de Ontem e o crowdfunding

Crowdfunding, financiamento pela multidão ou financiamento coletivo. Um instrumento financeiro moderno que, em Portugal, dá ainda os primeiros passos. 

A sua lógica é muito simples e o seu funcionamento está dependente de práticas acessíveis a todos. Alguém (um promotor) apresenta um projeto que pretende concretizar, mostrando orçamentos, calendários financeiros e estabelece recompensas únicas e especiais para quem apoiar financeiramente (apoiante) a concretização do projeto, num processo assegurado por uma plataforma virtual. Em caso de insucesso no angariamento do montante proposto, o dinheiro é devolvido a cada um dos apoiantes. No caso de sucesso, o promotor recebe a sua quantia que utiliza para colocar em prática o seu projeto e entregar as recompensas devidas aos seus apoaintes.

Mais que uma lógica economicista ou que uma estratégia de financiamento, o crowdfunding é um instrumento extremamente útil para envolver a multidão, os apoiantes, aqueles que, muito provavelmente, seriam de qualquer forma clientes e/ou utilizadores do projeto. Foi esta característica que chamou a atenção da Livros de Ontem. Financiada em crowdfunding pelos seus fãns, por aqueles que sentiam a necessidade de uma plataforma de livros usados e de uma editora de novos autores, a Livros de Ontem quis escolher o crowdfunding como estratégia de lançamento dos seus primeiros livros.

Foi o caso de Nós, Vida, de Álvaro Cordeiro, financiado com 1500€ pelos leitores que queriam ler a obra, que queriam fazer parte dela, que queriam estar na origem de um livro que, certamente, ficará para a história da literatura. É esse o apelo do crowdfunding, permitir fazer depender as nossas obras do interesse do público leitor. Em troca, podem ver um agradecimento ao seu nome na primeira edição de colecionador, numerada e autografada pelo autor, garantindo um objeto de arte que vai para além do livro.

A Livros de Ontem orgulha-se de ter sido um dos primeiros projetos em Portugal a ser financiado em crowdfunding e de continuar a apoiar este método para o dar a conhecer a cada vez mais gente. 

Sobre crowdfunding, veja também o texto de 17 de Junho de 2013 aqui.

Sem comentários:

Enviar um comentário